sexta-feira, 1 de maio de 2015

ATÉ PERDER O ALVO...

Descalça eu estendo a rua
Praticamente nua
Até perder o alvo na
Sucessiva claridade para o principio dos sinais
Liberta dos sonhos e das fantasias
Tento alcançar a liberdade
Sem aprisionar as ânsias em
Brado de saudades e de melancolia
Ascende-me a frente abismos
Que me ameaçam a alma
Do palato celeste nuvens de um
Branco de neve desce a paz na pisada íngreme...


celina vasques

Nenhum comentário:

Postar um comentário