.

Eterno é este mar em que tuas lágrimas navegam e a brisa suave que levou de ti a ilusão ...e nesta bruma ocultas teus sentires de mim ... (Celina Vasques )

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Uma grande melancolia...




Há sentimentos perdidos na minha vida
ah! Juventude dourada... Onde estás agora?
No meu coração guardo mil lembranças
- um tesouro –
Há essências que se consomem na carência
Nublou a recordação nos meus olhos

Sento-me neste banco de praça...lágrimas escorrem
enquanto uma música distante dá seus últimos acordes....
sem rumo...um perfume vem com a brisa...
Na vida há pessoas que mesmo além ...
Estão sempre dentro de nossas vidas...

São tantos os sonhos ...que de tão imensos explodem...
Deixando apenas saudades....no êxodo de meus sentires
Nos umbrais de minha solidão...
As minhas raízes...este tempo que não esqueço...
...passou...será que morreu?

E prendo ao meu peito...ressoando ao tempo
De sentimento que foi sempre a minha vida
Nunca parti sem nenhuma lembrança ...sempre lembro...
De todos os anos que vivi....vivemos....

Sopram ventos de melancolia...
Memórias que não terão fim...
Vejo agora a mudez das neblinas
Não voam anjos pelas canções trazidas pelo vento...

Pensei virar as costas ao momento e ao fascínio
E aí houve inexplicavelmente o alvorecer dos meus versos
Busquei na memória estradas esquecidas
Mas há expressões que nos aprisionam à realidade
O orvalho das manhãs é poesia de água
perdidas águas...

Celina Vasques II