.

Eterno é este mar em que tuas lágrimas navegam e a brisa suave que levou de ti a ilusão ...e nesta bruma ocultas teus sentires de mim ... (Celina Vasques )

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Os versos...os meus!






Os versos... os meus...

podes rasgar
Nunca o meu coração que vive a poetar...

Ah! As minhas memórias, todas escritas a
Nankim....e tatuadas na minha essencia...

O verbo que encanta as vezes evoca o amor...
Outras vezes a dor...a angustia... a saudade e a solidão...

Minhas palavras que ardem mudas neste vendaval
De paixões...
Teu... meu... e de tantas almas apaixonadas...

Mesmo contra todos os espinhos...das rosas tão belas...
Quanto traiçoeiras...

E tal como o lamento dos deuses nas madrugadas
Frias...e os meus olhos envoltos em duas lágrimas vadias ...
vou escrevendo poesias...na brandura das saudades!

celina vasques