.

Eterno é este mar em que tuas lágrimas navegam e a brisa suave que levou de ti a ilusão ...e nesta bruma ocultas teus sentires de mim ... (Celina Vasques )

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Numa lua de Jaci...

Meus olhos te seguem ternamente
neste silêncio de um anoitecer lento....luminoso...
Refletido nas aguas deste rio ...
Num tempo de anseios...E sentires...
No aroma desta selva ...num céu estelar...
Numa lua de Jaci...
Segue a constelação do meu olhar. Toma meu coração..
Abraça a minha alma....consola-me em teu peito...
Abriga-te em meu ventre...e te vislumbrarei em todas as noites
De luar...
E te contemplarei sempre e eternamente!

celina vasques

sábado, 28 de novembro de 2015

Espiritual...

Sou apenas o que sou... Apenas existo
Com estes sentires poéticos...
Talvez, um poeta sem rimas
Quem sabe a saudade verdadeira...
Apenas sinta-me... E eu sinto-te...
E proclamo este momento eterno...
E abro-me ao essencial... Tendo o céu como limite...
Vibrando continuamente em minha essência
expandindo amor.. e muita luz!!

celina vasques

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

O teu amor é poesia...


Encantas o meu silencio
Com tua voz macia e quente...
Enlouqueces os meus sentidos...
Afagas-me ao segurares o meu coração
Sim, pois o tens nas tuas mãos...
E este amor tão nosso... Escreve versos...
E meus pensamentos voam quais aves
Ao encontro do orvalho das manhãs
E peço ao tempo infindáveis dias
Para que a memória guarde cada minuto...cada segundo...
Destes momentos contigo...
E quando estiver silencioso o meu coração
E meus pássaros calarem
o amanhã não seja mais do que a memória do hoje!



celina vasques

sábado, 21 de novembro de 2015

Aliança com a paixão...


 
Contemplo as verdades lúcidas do tempo...
E falo do suspiro de um lindo pássaro...
Parei meus olhos nesse doce momento...
Vivi nas areias da praia essa longa espera...
Chegaste voando nas asas de uma gaivota
E te fiz perguntas vindas do coração
E me olhaste em Silêncio...
E eu escrevi metáforas impenetráveis
E desejei ser pedra em mar profundo
Elevo os olhos aos céus mais infinitos...
deles soltam-se arco íris
De muitas cores...Fantasiando sonhos...
E renovo a aliança com a paixão...!



celina vasques

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Hoje respiro o silencio...


No relento da noite...
Adornada de princesa... Para deixar transparecer minha alma
Para que a vejas... Qual me viste em sonhos...
Deste-me as mãos e percorremos oceanos inteiros e
Viajamos nas ondas... No marulhar das águas...
Fizeste-me promessas... Nunca mais saudades ausentes...
E, deixei-me sonhar. ...
Escutando uma doce melodia até o amanhecer...
Poemas foram ensejados para ti...
Vem precisamos sorrir... Vamos atirar ao mar nossas dores...
A partir de hoje...
Espero-te!


celina vasques

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Preciso sonhar...

(...) quando te vejo entre brumas nas noites
de meus sonhos mais profundos
Tenho vontade de pintar-te em tela
Ao amanhecer...
Iria inventar teus olhos e a
Boca mais linda para que tenham sorrisos... E palavras de amor
E se mesmo assim você não existisse...
Fala-me por que eu iria existir
Teria de inventar também o amor
Faze-lo nascer a cada dia nas cores da primavera...!?(...)


celina vasques

domingo, 8 de novembro de 2015

Tens medo do amor...


Mas ele existe quanto maior mais profundo
Pelo mar onde reflete o azul do céu
No nascer e do por do sol
O sorver da terra... E as flores de todas as cores...
Das canções cujas melodias falam de encanto e nostalgia...
Enquanto o teu coração temeroso arquiteta uma saída
Teus lábios sussurram não...!
Mas teu coração... Quer o meu amor...
E fazes poemas que a cada dia
Vão-se inflamando sozinhos
Em sopro de ventos estranhos
E eu falo-te de amor em mansa oração
Pela solidão que me toma por dentro
Um vazio triste oculto de inquietude e revolta
Deste amor por ti que nunca terá fim!


celina vasques

domingo, 1 de novembro de 2015

Misterioso...


Contemplo a quem as minhas saudades abraçam
E escrevo versos... Talvez a minuta de páginas dos dias passados...
E num momento de grande emoção... Então pintei o céu de azul...
Tocando ao compasso febril do coração
Ah...Deixa-me sentir até onde a forma se desapega
Deixa-me ser genuinamente louca e compreensiva
No mais eu no profundo de mim...
Deixa que a purpurina
Da eternidade te toquem... Apenas sinta...
Nestes minutos que proclamo eternos...
Um pedacinho de ti que dança ao vento...
E por ti nas noites sigo as constelações estelares
Cruzo os teus passos
Sabes o amor não se inventa ou detém... Ele não morre
Está no coração...!



celina vasques