.

Eterno é este mar em que tuas lágrimas navegam e a brisa suave que levou de ti a ilusão ...e nesta bruma ocultas teus sentires de mim ... (Celina Vasques )

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

UM OLHAR PARA ALÉM DA NOITE


 






E vejo o mar... e sinto a brisa a afagar meu rosto...
e o aroma das flores na minha varanda... E beijo o silêncio
Qual se fora folhas de outono a volitar na tentativa de
Alcançar o tempo que se foi...

Ah! E as nuvens viajam no palato celeste
Cruzando as alturas...
Em meu peito ardem as lembranças que sorvo
E viram estrelas que brilham nas noites dessa profunda solidão...

E arde em meu peito esta saudade... Que incendeia e sangra a minha alma solitária
E fantasio com sonhos que se eternizam em meus versos...
... inquieta lanço um olhar para além da noite
À espera de ti!



Celina vasques

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

E voam anjos...


...eu os vejo pela janela...
e pra eles sopram os ventos nostálgicos...
E a efígie acorda os sentidos... As  emoções...
procuro na memória momentos perfeitos...trilhas perdidas...
Alucinação... no orvalho da manhã
somente  o teu rosto esculpido na vidraça
por meus dedos... Desnudos...

 O real e o irreal da paixão  nos permite viajar
Na brandura do tempo... E no meu silêncio existe um mundo intenso
De sons...na metamorfose dos meus sentires!

celina vasques



domingo, 22 de fevereiro de 2015

Proseando...

Tem dias que acordo atacada por uma veia poética onde sou capaz de escrever mil poemas de amor ao me sentir perdidamente apaixonada pelo indivisível...algo hipotético que acho que foi vivido em outras encarnações...daí me ponho a ouvir melodias que me fazem lembrar alguma coisa, um não sei quê...de encantamento
de misterioso...não sei dizer...talvez escrever...escrever...escrever...fechar os olhos e levitar literalmente sobre todas as palavras escritas ...talvez para anjos e arcanjos..e debruço-me sobre meus poemas, meus escritos e procuro descobrir vidas que vivi...
ou talvez pedaços de vida vivida em minha infância e adolescência que hoje me parecem tão distantes ...e que o tempo levou e não trouxe de volta...o tempo não volta!
E me vejo chorando com saudades de algum pedaço vivido amarelado pelo tempo...mas não apagado pois permanece em minha memória e meu coração!



celina vasques

Levitando em ilusões...








Atravessei todas as portas da solidão
Em meu olhar desfilam episódios gravados em minha memória...
São verdes meus olhos...
Agora sei que são filhos deste Mar...
Que me envolvo com seus ruídos e sua força...
Onde fiz amor em devaneios no meio de tempestades e ventos fortes!


Nos meus sentires...Nas contradições do amar e do desamor...

Às vezes amo-te...outras odeio-te..
Perco-me e novamente encontro-me a navegar
Por águas calmas...outras
Levito sobre meus sentires... E novamente entorpeço
Na fragrância do dia que amanhece!


celina vasques














sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Meus sonhos se desfizeram...




Quais ondas...
Como se fossem eternas e encantadas
Serenatas de sereias...

Entre o azul do céu e a imensidão do mar
Meus passos entorpeceram
Embalados pelas tuas águas
Sem rumo... Sem bússolas...

Por muitos mares viajei
Conheci terras distantes... Abracei ondas
Que nas areias das praias...
Em furor travaram lutas ferozes
Batendo nas pedras... A marulhar...
A espumar...

E nessas águas espalhei
Todas as minhas mágoas...
Pois... Eu precisava chorar...gritar...
Todos os meus segredos... 
Todas as minhas sonoridades...
Todo o meu silêncio!

celina vasques

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Sussurro dos tempos...






No giro completo de um luar
Voa este espírito ardendo de paixão...
Ergue anseios nos montes do tempo
Como ama este coração... Não se cansa de amar!
Inventa poemas, em tardes frias...

Tatua memórias no meu peito... E deixa
 Palavras perfumadas que invadem o meu ser...
Não existe distância entre o coração e a razão

No êxodo deste instante sinto a fragrância das lembranças
o aroma do incenso..cravos e flores...
Estou aqui calada
Escutando o sussurro dos tempos..
qual tocasse as nuvens ao vencer o mar bravio...




celina vasques

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Em chamas...



 
Segui teus passos
Como quem segue a vida
mas eu conheço a tua estrada.
Teus desejos discretos... Teus vácuos...
Meus passos marcaram no
tempo e no silencio da noite...

Ao longo da praia deserta meus olhos alagados
E minha alma brada e incendeia–se junto com este céu
Em chamas... Na busca constante do teu grito de amor
Dentro desta alma minha que você dilacerou..



celina vasques

Esperei toda uma vida!





Já nem sei mais quanto tempo!
Mas... O que esperei?

Faço imaginários gestos... Tenho asas... Sem penas...
Sou rosa despetalada... Sou rio sem correnteza...
Onde escorrem minhas lágrimas e a minha tristeza...

O que esperei?Talvez numa vida inteira caminhando
Com meus cabelos soltos esvoaçados... A provocar os ventos
Deste inverno gelado!

O que esperei durante tanto tempo?
Eu levava nos meus olhos a esperança luminosa
De um palato azul longínquo...
E o deslumbramento das noites estrelarias...

E nas noites de luar  me deitava
Sobre a relva de teu hipotético corpo
E assim juntava-nos numa lânguida quietação...

...meus lábios sedentos feridos
De ardentes beijos  que jamais dei...
O que eu esperava...Amar e ser amada!


... Talvez



Celina Vasques

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Fuga...

 
E passei...e não olhei para trás...não te vi...nada vi...
Não te sorri...fugi...
E desde este dia nunca mais te vi!
Aqui ainda sou eu que assim de passagem
neste mesmo lugar desta viagem
Com  meu corpo maculado pelos
ventos que sopravam dos desertos
refugiado....
e que a brisa me receba com
seu tépido ares e no meu findo
Alento poder prosseguir...
E o silencio que acerca-se
Nos meus murmúrios que sussurram
Nas trevas insolúveis
Das noites onde repousa 
a minha quietude de ti!
celina vasques

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Seduz-me...



.

Extasia-me amar-te...

Seduz-me como meu amante

E te amarei sem mistérios nem enigmas

Com este desejo forte e constante...

E que nem a eternidade será capaz

De destruir...

Muito embora eu te repita todos

Os dias e em todas as noites essa minha paixão

Com o encanto das juras... Dos enamorados

Peço-te ainda mais uma vez que me possuas

E creias em mim...

Pois hei de amar-te para sempre... 


celina vasques



 


segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

O despertar...

 

O dia despertou em mim pensamentos
Plácidos...contemplativos...
Olhei em volta toquei a vida e viajei nas asas de um pássaro...
E iniciei um passeio inventado!
Imaginei uma viagem ao redor do mundo... Não este cheio de
Batalhas e extermínios...
Mas um mundo melhor onde a bondade... A serenidade e a paz
Seja a realidade de todos nós filhos de Deus!
Idealizei a nascente cuja água fresca satisfaça a sede de todos nós mortais
E cuja vida é tocada por mãos celestiais...
E ao final desta minha viagem inventada sentir este sol de verão
Em manhãs abençoadas!


celina vasques