.

Eterno é este mar em que tuas lágrimas navegam e a brisa suave que levou de ti a ilusão ...e nesta bruma ocultas teus sentires de mim ... (Celina Vasques )

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Tão somente...


Não me canso de ouvir esta melodia que vem do mar
Este mar que beija os céus de anis... E que encanta nos meus versos...
Atormenta-me a cantiga do vento... E me faz emprestar as chuvas
As aguas que me caem dos olhos...
E o horizonte é apenas o horizonte... Tão somente...


Gostaria de mudar o tempo...
Para que me fosse devolvido às estações de outrora
Para que seja restaurada minha alma... E a recordação de dias que vivi..
O tempo foi juiz desses saques de meus dias translúcidos
E que não consigo arrancá-los de meu coração...

Abro mão das estrelas e agarro-me às sombras das luas...
Em ti acalentei mil sonhos...
Achei-te no silêncio, mas perdi no vazio de mim,
Mil palavras trocadas por outros tantos silêncios e
Fomos deixando para trás o vácuo das quimeras de amor...

Amei-te apesar das brumas que irromperam entre nós...
Amo-te ainda porque é um sonho inacabado...
O livro que quis escrever, mas nunca escrevi...
Foste, és e será o meu sonho perdido...

Que importa se hoje é outono...
Se o vento nos ondeia e se em cada pingo de chuva há uma vida...
Uma vontade imensa de voltar em busca de minhas fantasias...
E te procurar novamente dentro de mim...Tão somente!


celina vasques