.

Eterno é este mar em que tuas lágrimas navegam e a brisa suave que levou de ti a ilusão ...e nesta bruma ocultas teus sentires de mim ... (Celina Vasques )

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Infindo delírio...




Ah, infindo delírio
Anseios de carícias e beijos... 
Ardentes e apaixonados
o teu desejo é sempre o meu desejo
Vem... Exorciza-me!

Perco-me no labirinto

desse jardim que é só teu
toco cada flor delicada do teu corpo...
Sinto o aroma inebriante do cheiro... 

- Que exalas- 
Mergulho nas pétalas orvalhadas das flores
desse vergel perdido no tempo...

Escuto-as chorar nessa terra lavrada pelo pranto

garoa incandescente e mágica
das manhãs invernais...
E no silêncio que grita
estremecendo-me docemente
Sinto-me seduzida, acariciada... amada...

Enlouquecida! 
Sedenta de querer sorver… 
todo este amor que me tens pra dar...





celina vasques



quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Vem...

Mesmo distante
Longe demais da tua alegria e de todo o teu brilho...
Quero-te assim como o ar que respiro
Não te esquecerei em nenhum momento...
És a alvorada ao nascer de um novo dia.
Este fulgor que te trará de volta pra mim
Vem... Não tenha medo de ser feliz
Amo-te mais do que tudo de bom da vida,
O nosso futuro chegará hoje!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Memória do coração...






Que sabes tu de minha alma?
Como podes entender os meus silêncios
E se são verdadeiros ou não os meus sentires...
Como podes avaliar os meus sonhos se nunca
Chegaste ao meu íntimo?
Eu não sabia que na memória do coração
Só guardam do passado os momentos felizes...
Mas, quem sabe noutro tempo... Além desta vida
Voltaremos a falar de amor?

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Meu amigo...






Versos quais melodias sublime ressoam adocicando
Os olhos marejados da alma·que navega sem ilusões

E os tempos não param nem recuam
Os sentires confundem-se
No desejar ardente dos murmúrios quietos da brisa
Que sopra plácida... Na mansidão... Sem ruídos
como se fossem as palavras carinhosas... Ternas 

Vindas de ti amigo...

Se soubesses que nas noites invernais

Aqueces minhas recordações de momentos que vivi
e o frio da saudade de não sei o quê... 

Se de tuas doces palavras... Da ternura 
Com que falas de mim... A mim!

Tu és aquele que reacende a chama em meu peito 

O calor ardente no meu corpo...
Trazendo-me a esperança de uma nova emoção... 

E eu quero-te!
 Na minha vida carente de carícias... 
E anseio constantemente por ti... 
Meu Poeta amigo... Meu amor!


celina vasques



quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Partiste...



...E tu foste de mim
Levaste o amor que te dei
os momentos felizes e das noites
o esplendor da lua... As estrelas e a minha alma nua...
Arrastaste o brilho do dia e o perfume de todas as flores...
Sabe não deixaste nada
levaste contigo minha essência impregnada...
e o meu coração apaixonado!

Cristalina







Sinto vontade de adormecer
 recostada em teu ombro...
Contar-te todas as mágoas, saudades,
Tristezas e alegrias que se passaram.
Falar-te deste amor tão grande que SEMPRE
Esteve presente na minha vida...


Sinto vontade de sentir teu perfume inebriante
 Que a todo o momento
Nas tuas ausências eu sentia no ar...
Como se a brisa o trouxesse
Impregnando meu ser de ti!

Busquei na memória o passado perdido
O olvidado mistério das noites
nestas frias brumas onde sopram brisas de nostalgia
- Pobre sonhadora-
Cristalina
é minha alma ao falar em ti!


celina vasques

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

meus olhos...

Se olhares dentro de meus olhos encontrarás a Poesia e a saudade de dias lindos... em que os vivi pra ti!

 C.vasques

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Num dia qualquer...



Num dia qualquer...

Quando os sonhos nada forem além

De imaginárias fantasias
Tu lembrarás então, na essência dos devaneios.
De um amor que se perdeu no tempo...
Anseios esquecidos no momento em que partiste...
Porém eu serei sempre a tua memória mais presente e
Sentirás a minha presença
Nas pequenas coisas que tocares...
No perfume de flores que vem
Com a suave brisa que te beija o rosto...
Então, ouvirás apenas o silencio...
Calando as canções
longínquas que falam de amor...
Contemplarás fascinado o brilho das estrelas no céu...
A Cintilar num ecoar de arrebatadas sensações!


Celina Vasques