.

Eterno é este mar em que tuas lágrimas navegam e a brisa suave que levou de ti a ilusão ...e nesta bruma ocultas teus sentires de mim ... (Celina Vasques )

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

canção inacabada...








Eu sou uma canção inacabada
Nas notas do meu piano...
De uma melodia triste... Tantas vezes tocada...

Perdi-me…

Nos versos que guardei para a poesia
E encontrei-me ao escrever estes reversos...
Na manhã submersa de névoas onde
O ocaso teceu seu disfarce

Abrem-se os segredos nas lembranças...
Vence o abandono das memórias...

Meu olhar marejado vê
Deslizar suavemente as últimas
Gotas de lágrimas... Que brotam docemente
No silêncio da saudade dessa alma magoada.

O tempo prosseguirá... Implacável...
Sentimentos do querer deste coração... Desprezado!

celina vasques

Qual um pavão...

E a vida vai passando...
E assim segui em frente... Seguindo o vento...
Sem temores e dores...
E hoje restam apenas lembranças... Fugazes!

sábado, 15 de setembro de 2012

MINHA NOSTALGIA


NOSTALGIA

Olho em teus olhos
e procuro
desesperadamente
aquele brilho antigo
tão por mim conhecido
e que me falava de amor.

Procuro em teus braços
aqueles abraços que tantas
vezes me protegeram
me acolheram.

Olho minha cama vazia
tão fria e não te encontro mais

Com nostalgia qual esta poesia
te olho silenciosamente e
sinto minh'alma morrer em agonia!

Celina Vasques


ONTEM...



Ah! se eu pudesse voltar no tempo

resgatar meus dias de infância...

os sonhos sonhados e as minhas ilusões

que ficaram no passado!


Qual poeiras levadas pelo vento

os amores se desintegraram...

e as lágrimas que foram derramadas

gotas que caíram teimosas

e transformaram-se no orvalho

das madrugadas...


Ah! se eu pudesse viver novamente

aqueles dias...

quando eu corria na praia e corações

eu fazia...riscando nas areias as efêmeras paixões...


Ah! quisera que o tempo não tivesse

decorrido e que meus olhos ainda tivessem

aquele brilho

eu acreditava que a vida era longa e que existiam

jardins floridos

caminhos a trilhar perfumados!


Nos sonhos espalhados pelas brisas e

em meus devaneios vivendo mentiras verdadeiras

coração sangrando à toa das tatuagens gravadas...

versos que tentei fazer

sozinha com meus pensamentos...


...e as marcas que o tempo deixou em mim

impregnadas de melancolia

eu e o meu destino agora eu sei

o que passou ...fato consumado!



celina vasques