.

Eterno é este mar em que tuas lágrimas navegam e a brisa suave que levou de ti a ilusão ...e nesta bruma ocultas teus sentires de mim ... (Celina Vasques )

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

A NAVEGAR...



A navegar...

Presa á garrafa durante milênios
minha alma atravessa
Imersa na vastidão deste mar de impossibilidades
Direção, caravelas, anseio navegante
Irreais sensações... Dilúvios alucinantes...
E navega rumo ao ignorado à procura do
predestinado amor!

Gaivotas que sobrevoam
à ira de alteroso mar
pássaros perdidos na bruma
Em dias de grandes tempestades
Igualmente qual meu coração
com esta paixão desmedida e profunda

Ondas que transpõem meu Pensamento
E dilacera as águas
Alma errante em desvario
Estrelas que nas madrugadas
rompe o silêncio anunciando
Palavras aos ventos sem nexo...

De um encantamento sem fim
A lua lança pingos de prata,
mas o mar chama a si o desencanto...
Nas minhas lembranças
momentos de um passado muito
distante na busca de um tempo
de irreprimível anseio!





celina vasques